• banner_marcelo_jabuti_2017_b
  • banner_hector_benoit
  • banner_gustavo_bernardo_2
  • banner_annablume_novo_endereco_2
Home Todas as Coleções Leituras do Corpo
Leituras de Judith Butler Greiner (organizadora)

leituras_de_judith_butler

Leituras de Judith Butler

Christine Greiner (organizadora)
Formato: 14x21 cm, 168 páginas
ISBN: 978-85-391-0795-7

Para Butler, aquilo que move politicamente alguém é sempre o momento em que o sujeito ou o coletivo as­seguram o direito à vida. É justamente quando não há nenhuma autorização prévia existente e nenhuma con­venção parece viável. Assim como para Michel Foucault, uma de suas referências mais importantes, isto vale para a normatização das sexualidades, dos sujeitos e para todas as relações de poder, sejam elas explícitas ou camufladas.

 

É este perfil subversivo que interessa a esta coletânea de ensaios escritos por autores brasileiros que atuam em áreas diversas, transitando da psicanálise à comunicação e às artes. Mais do que um legado ou revisão bibliográfi­ca de Butler, busca-se um acionamento de questões que parecem relevantes quando pensadas localmente.

 

Compre aqui

 

Como pontuou Butler em Precarious Life (2004), somos o tempo todo desfeitos uns pelos outros. Se isto não acon­tece, é porque estamos perdendo alguma coisa. O corpo implica em mortalidade, vulnerabilidade, agenciamento. A pele e a carne nos expõem ao olhar dos outros e também à violência. É corporalmente que vivemos este risco de ser­mos acometidos por todos e, ao mesmo, de agenciarmos essa mesma violência que nos aterroriza. Vivendo sempre em relacionalidade estamos abertos ao outro, indepen­dente da nossa vontade e o único modo de fortalecer esta vulneralibilidade é evitando a imunização ao coletivo.

 

Talvez esta seja uma questão menos explorada pelos leitores de Butler, mas que ainda pode se tornar absolu­tamente fundamental, sobretudo em contextos políti­cos como os da América Latina, em que o traço colonial tantas vezes ainda se faz presente, criando ambivalências entre a autonomia latente da multidão e o temor da pre­cariedade da vida.


Christine Greiner

 

 

 
^ Top ^