• banner_annablume_novo_endereco_2
  • banner_promoo_vendas_sob_demanda_2
  • banner_marcos_braga_iii_2
  • banner_ton_angotti_3
Home
Democracia, pós-desenvolvimento e gestão de bens comuns

 

democracia_pos_desenvolvimento_e_gestao_de_bens_comuns

Democracia, pós- desenvolvimento e gestão de bens comuns : perspectivas da América Latina e do Caribe
Paulo Henrique Martins, Marcos de Araújo Silva (orgs.)
Fomato: 16x23 cm, 252 páginas
ISBN: 978-85-391-0824-4

 

Compre aqui

 

"Obra ajuda a preencher o vazio deixado pelos anos de deconstrução"

Por Sergio Costa

 

[...] Assim, chegamos ao fim da década dos 2000, num contexto não apenas de fim das utopias mas de completa descontrução das categorias com as quais estávamos habituados a pensar o mundo e nosso lugar, como cientistas sociais, dentro dele. O vazio deixado precisava ser preenchido com novas categorias que fossem, por assim dizer, pós-desconstrutivistas, qual seja, categorias que refletissem o legado dos anos de crítica mas que não levassem, contudo, à inação. Estávamos precisamente à procura de novas categorias que implodissem os velhos mitos do passado e, ao mesmo tempo, trouxessem novas chaves analíticas e abrissem novos horizontes de reflexão política.

 

Este é precisamente o lugar onde se insere este livro. Juntamente com outras contribuições mais recentes, ele ajuda a preencher o vazio deixado pelos anos de desconstrução, convidando ao mesmo tempo para uma reflexão nova e inovadora sobre alguns dos temas mais urgentes e candentes de nossa época. O conceito de bem comum que é, ao mesmo tempo, categoria analítica e horizonte normativo, funciona como uma sorte de metalinguagem, que articula os diferentes artigos que compõem o livro, e a iluminadora introdução dos organizadores. Por debaixo desta meta-categoria, cada uma das contribuições explora um campo próprio de debates com seus respectivos conceitos. A força deste livro repousa precisamente nesta combinação do eixo articulador em torno das discussões sobre bem comum e a diversidade de campos que cobre. Os temas vão desde os conflitos ambientais e a violência até debates sobre convivialidade e pós-desenvolvimento. O ponto de fuga do bem comum, todavia, volta sempre à tona, garantindo o diálogo entre os diferentes capítulos e o acúmulo continuado de informações e reflexões.

 
^ Top ^