Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
          - Análise do Discurso e Semiótica
          - Antropologia
          - Arqueologia
          - Arquitetura
          - Artes Clássicas e na Antiguidade
          - Artes Contemporâneas
          - Ciência Política
          - Comunicação
          - Crítica Literária
          - Educação
          - Estudos de Corpo
          - Estudos de Gênero
          - Estudos de Religião
          - Filosofia
          - Filosofia Antiga
          - Geografia
          - História
          - História Antiga
          - Meio Ambiente
          - Psicanálise
          - Quadrinhos
          - Redes Digitais
          - Relações Internacionais
          - Sociologia
          - Sociologia do Trabalho
          - Urbanismo
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Trabalho à deriva : privatização e cultura do trabalho no porto
Trabalho à deriva : privatização e cultura do trabalho no porto
De: R$ 65,00
  Por: R$ 65,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Mobilidade precária na metrópole de São Paulo
Mobilidade precária na metrópole de São Paulo
R$ 86,50
R$ 86,50
Veja mais novidades
Quanto vale a chuva ? : impactos da BR-364 na regionalização da
Quanto vale a chuva ? : impactos da BR-364 na regionalização da
Código do Produto: 16x23cm
De: R$ 65,00
Por: R$ 65,00
Economia de R$ 0,00
 
Acessar a Cia. dos Livros

Quanto vale a chuva ? : impactos da BR-364 na regionalização da Amazônia ocidental
Markus Erwin Brose
Formato: 16x23cm, 214 páginas
ISBN: 9788539107759

Nos anos 1980, a pavimentação da rodovia BR-364 Cuiabá-Porto Velho, gerou destruição ambiental e conflito social de tal ordem, em Mato Grosso e Rondônia, que o Banco Mundial, financiador do projeto, suspendeu o repasse de recursos, houve divergências entre diretores do banco e a pressão internacional levou o banco a criar um Departamento de Meio Ambiente e Populações Tradicionais.
A pavimentação da extensão norte da mesma rodovia BR-364 no Acre, bem como sua ligação com o Peru, a Estrada do Pacífico BR-317, iniciada uma década mais tarde, não gerou migração, grilagem de terra ou expansão do desmatamento, tal como é comum ainda hoje no Arco do Desmatamento. Os méritos do Acre em conter o desmatamento ilegal são reconhecidos no debate global sobre adaptação às mudanças climáticas tanto por organizações públicas, como o Banco Mundial, como por governos progressistas em matéria ambiental, como a Califórnia e a Alemanha, que celebraram convênios de cooperação, além de divulgados por organizações não-governamentais. Mais importante, a estratégia é legitimada pelos eleitores acrianos, que a confirmam pelo voto nas eleições desde 1992. Durante quatro anos, Markus Brose coletou dados na região para responder à pergunta: Quais os fatores que permitiram ao Acre estabelecer um modelo próprio de construção e pavimentação da BR-364, baseado na estratégia de manutenção da floresta em pé?
 
Também compraram este produto
Clientes que compraram este produto, também compraram:
     Políticas territoriais na Amazônia   Políticas territoriais na Amazônia
 
Últimos Produtos Visitados
Transportes e formações econômicas na América Latina
Transportes e formações econômicas na América Latina
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail