Annablume Editora
BOX_HEADING_LOGIN_BOX
Seja Bem Vindo(a)!

Faça seu login
Cadastre-se

 
 
 
HomeSite
Busca Rápida
Suas Compras   Meu Carrinho 0 Iten(s):
Fabricantes
Fabricantes
Categorias
Categorias
        -Arquitetura, Urbanismo e Políticas Urbanas
        -Biblioteca Flusseriana
        -Corpo, Sexualidades e Políticas da Multidão
        -Cultura Tecnológica e Redes Digitais
        -Geografia e Temas Socioambientais
        -Sociologia
        -Todas as Coleções
        -Todos os Temas
        Artes
        Outros Temas
        Revistas
Promoção
Especiais mais
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
Produzir casas ou construir cidades? Desafios para um novo Brasi
De: R$ 88,00
  Por: R$ 88,00
Economia de R$ 0,00
Veja mais promoções
Novidades
Novidades mais
Saúde, Direito e Movimentos Sociais
Saúde, Direito e Movimentos Sociais
R$ 50,00
R$ 50,00
Veja mais novidades
A criança e o arquiteto
A criança e o arquiteto
Código do Produto: 16x23
De: R$ 77,00
Por: R$ 77,00
Economia de R$ 0,00
 

A criança e o arquiteto

Andréa Zemp Santana do Nascimento

Formato 16x23cm, 290 páginas

ISBN 978-85-391-0655-4



 Seria possível pensar arquitetura como a criação de lugares repletos do entusiasmo e da “liberdade imprevisível” que se revelam nos olhos da criança e em seus gestos enquanto constrói, destrói, recompõe seus espaços para brincar? O livro de Andréa Zemp Santana do Nascimento, “A criança e o arquiteto: quem aprende com quem?” sugere que é possível e desejável, ao se pensar a concepção dos es­paços da criança, construir com ela um diálo­go sensível que acarrete na invenção de uma nova linguagem criativa, da qual participem ainda atores como o artista, o educador e o terapeuta ocupacional. À concepção projetu­al originada deste encontro, a autora atribui o nome de práticas projetuais e espaciais com a criança, que envolvem as noções de processo, ação e movimento, contrapondo-se aos pro­jetos para a criança, os quais deixam a esta apenas o papel de usuária. Partindo da fusão entre prática e reflexão teórica, a autora reforça a urgência da criação de uma experiência de autoria compartillhada, na qual o arquiteto se despeça de seu papel de autor principal e passe a inserir-se, junto à criança, em uma rede de forças criativas mais ampla, a partir da qual se originem lugares onde seja possível expressar-se com autenticidade e tecer outros mundos.

 
Newsletter
Ofertas e promoções exclusivas por e-mail